sexta-feira, 31 de maio de 2013

Botafogo 2 x 1 Santos - Um bom presságio


(Foto: Alexandre Loureiro/Lance)

Parece que jamais saberei se o potencial do jovem Jeferson vai se tornar tudo aquilo que eu acho que vai, pelo menos durante o período em que ainda “parece ser” jogador do Botafogo. Uma pena, pois precisamos urgentemente encontrar alguém para ocupar a vaga do Seedorf quando nosso principal jogador não puder estar em campo, como aconteceu nesta quarta.

Apesar de Seedorf ser atualmente insubstituível, a alternativa com Andrezinho é certeza de um Botafogo menor e, somada – com um sinal de menos do lado esquerdo – à presença de Antonio Carlos, somos 50% do que realmente somos. Passes errados, menor poder de marcação, chutões para a frente e dar condição de jogo no lance do gol adversário são o resultado dessa combinação mórbida.

O toque de bola, o empenho, o conceito estavam presentes, mas o Botafogo sem Seedorf – e Dória! – e com Andrezinho e Antonio Carlos é meio Botafogo. Abaixo de 50%, inclusive, a partir da saída do fiel escudeiro Fellype Gabriel – injustamente esquecido naquela premiação mequetrefe dos melhores do Carioca. Boa notícia saber que Renato ainda quer; querendo, Renato tem o que dizer.

Ótimo vencermos sendo metade do que podemos ser, o que serve para imaginar o que esperar da medida total. Também é muito bom descobrirmos que Rafael Marques é sortudo – a sorte, esse bem inestimável.


(Foto: Alexandre Loureiro/Lance)

Além da vitória, que é a melhor palavra do dicionário de um time de futebol, vencer jogando mal é um excelente presságio.

Saudações botafoguenses!

***

Leia também:

- Poderia ser mais tranquilo (Cantinho Botafoguense)

- Botafogo 2 x 1 Santos: Voando baixo (Fogo Eterno)

- Botafogo 2 x 1 Santos (Mundo Botafogo)

***

[Link para os melhores momentos: Botafogo 2 x 1 Santos]

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Corínthians 1 x 1 Botafogo - Impressionante



Fiquei impressionado com o poder de marcação que simplesmente para o adversário da ocasião, que desta vez foi o atual campeão da Libertadores. E continuam me impressionando o preparo físico e a inteligência dos nossos atuais jogadores, esta última que permite implementar um futebol coletivo envolvente e por isso contundente.

No entanto o que mais me impressionou foi o profissionalismo deste grupo que, depois de nota de própria autoria expondo atraso salarial – assunto explorado à exaustão pela “facção” tendenciosa da imprensa esportiva (uma maioria nefasta) –, não se afastou um traço sequer do empenho absoluto que fez a campanha estadual se tornar avassaladora.

O caráter destes jogadores botafoguenses bem que serviria de exemplo a influenciar a formação das futuras gerações, não fosse o boicote que se revela através da tentativa de ofuscação da postura brilhante deste grupo de cidadãos, que revive a ideia de que o esporte molda o caráter humano.

Um boicote que fica evidente na constante diminuição que a referida imensa maioria da imprensa busca impingir ao brilho que o comportamento impecável do time botafoguense emana a cada partida.

Além disso, na esfera política oficial, a muito mal explicada interdição do nosso estádio – evidenciada por estudos que contestam frontalmente o laudo ligeiro (não)apresentado pelo prefeito do Rio de Janeiro – debilita nossa pujança e põe em risco a própria sobrevivência do clube, levando a reboque o fracasso da propagação de um comportamento digno e exemplar, exatamente o que os atletas botafoguenses exibem claramente em campo.

É evidente que o exemplo alvinegro, através de seus jogadores, está em desacordo com o que é praticado pela grande maioria dos políticos brasileiros e por muitas empresas privadas com ligações estreitas com o erário público, o que talvez seja o motivo que leva a esta flagrante tentativa de inibir a exposição e a valorização da dignidade, honestidade e incorruptibilidade que o time do Botafogo expõe em cada partida disputada.

Ontem foi um empate em campo, mas, além das quatro linhas, mais uma vitória acachapante de um perfeito exemplo de dignidade.

***

Sobre a partida, leiam:

- Estreia com empate (Cantinho Botafoguense)

- Corinthians 1 x 1 Botafogo: Bola e honra (Fogo Eterno)

 - Botafogo 1x1 M. Mattos (Mundo Botafogo)

***

[Para os melhores momentos: Corínthians 1 x 1 Botafogo]

Saudações botafoguenses!

domingo, 12 de maio de 2013

Feliz Dia das Mães!



Um imenso beijo em todas as mães do universo!

E, em especial, à minha mãezinha, se recuperando de um baque violento, mas que já já estará de volta ao lar que gerou.

Saudações botafoguenses!

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Botafogo, campeão pelo mundo


(Tríplice Coroa: Mario Alberto/Lancenet/Mundo Botafogo)

Rui Moura diz:

“Quando o Botafogo ganha há magia. Nunca é um título qualquer, é sempre algo muito especial: ou sofrido e arrancado no último instante quando somos favoritos ou avassalador e incontestável quando começamos um campeonato como azarão.

E Seedorf, estou em crer, nunca havia conseguido tanto com uma equipa desarticulada como a do Glorioso 2012. Era a mesma equipa, mas Seedorf ainda não ganhara a autoridade que hoje tem. Lentamente e 'cerebralmente', tomou conta da equipa e provavelmente pela primeira vez na vida se sentiu numa família futebolística agregada por si. Porque não tenho dúvidas que esse Glorioso é sobretudo obra das orientações de Seedorf, e Oswaldo está aprendendo com ele. O treinador não explicitou porquê, mas em entrevista pós jogo disse que estava muito emocionado e aprendendo muito.

Há coisas que só acontecem ao Botafogo.

Abraços Gloriosos!”

***

E publica:

- Botafogo campeão carioca 2013

- E ninguém cala esse nosso amor!

- A melhor torcida do mundo!

- Botafogo campeão: imprensa nacional após o título

- Botafogo campeão: imprensa internacional após o título

- Vozes na conquista do campeonato estadual

- A Tríplice Coroa

- Capas de jornais: o dia seguinte


(A Pegada...: Mario Alberto/Lancenet/Mundo Botafogo)

[Seleção de postagems do blog Mundo Botafogo, administrado pelo amigo Rui Moura] 

Saudações botafoguenses!

Botafogo de Futebol e Regatas - Campeão Carioca de 2013


(Foto: Daniel Ramalho/Terra)

Manhã de temporal para lavar a alma do torcedor botafoguense, que vê o Botafogo se sagrar campeão carioca após nove vitórias consecutivas.

O melhor time da competição foi campeão da Taça Guanabara desbancando seus oponentes com duas vitórias consecutivas em partidas decisivas, quando os adversários tinham a vantagem do empate. Venceu todas as partidas da Taça Rio e dispensou a vantagem do empate que conquistou para as finais.

E fez três vice-campeões em uma única competição: Vasco, vice da Taça Guanabara; Fluminense, vice da Taça Rio; e Flamengo, vice geral. Ou seja, um campeão democrático que não deixa dúvidas e nem fomenta disputas entre os rivais.


(Foto: Satiro Sodré/Agif)

Os mais desavisados podem achar que o placar da partida de ontem foi apertado. No entanto, um fato pitoresco prova que são desavisados. Pois bem, antes da partida, quando soube que o árbitro seria Marcelo de Lima Henriques, pensei: “Vamos precisar fazer uns três gols para sair com um 1 x 0.” Não deu outra.


(Foto: André Durão/Globoesporte)

Além das duas taças conquistadas na tarde de ontem, o Botafogo livrou o torcedor carioca do constrangimento de assistir a mais duas partidas decisivas no simpático Raulino de Oliveira, estádio cujo padrão de qualidade se assemelha à gestão do prefeito do Rio de Janeiro.

Com os ventos do temporal desta manhã, a estrutura metálica da cobertura do Engenhão deve estar pairando sobre o gabinete do alcaide, como símbolo da nossa resistência. Vencemos ali também.



Vitinho, Gabriel e Dória brilharam e mostraram que a base é forte, com direito a Jadson, Sassá, Cidinho e Renan no banco.


Fellype Gabriel e Marcelo Mattos revelaram a nova cara de um departamento médico renovado e competente – além do excelente futebol que jogaram.



Bolívar e Julio Cesar provaram que é possível fazer excelentes contratações, o que Bruno Mendes voltará a atestar mais adiante.



Rafael Marques – “O Centroavante Que Não Marca”(va) – mete dois gols em uma decisão – sendo um deles mal anulado – e se torna o símbolo da mais surpreendente volta por cima do futebol mundial.


(Foto: Satiro Sodré/Agif)

Oswaldo de Oliveira se juntou humilde e inteligentemente a Seedorf para criar um modelo de jogo competitivo e forjar o espírito vitorioso que faltava a um time tido como quarta força, calando e valorizando as minhas críticas – situação inusitada, tipicamente botafoguense.



Lodeiro foi pulmão, coração e alma durante cada minuto de todas as partida que diputou.



Jefferson continua sendo o melhor goleiro do Brasil, não obstante o péssimo discernimento do comando da seleção da CBF.



E Clarence Seedorf, craque renomado internacionalmente, veste o manto alvinegro para fazer história, se juntando ao rol de ídolos gloriosos.


(Foto: Satiro Sodré/Agif)

Jogadores e comissão técnica estão de parabéns pela campanha vitoriosa em todos os âmbitos onde a luta foi travada. Fomos técnica, física e psicologicamente superiores a todos, dentro e fora do campo. Vencemos. E vencemos com sobra!

E o torcedor botafoguense provou mais uma vez que é o mais assíduo do Rio de Janeiro.


(Foto: Daniel Ramalho/Terra)

É isso aí, minha gente.

É CAMPEÃO!!!

É CAMPEÃO!!!

É CAMPEÃO!!!



Saudações botafoguenses!

[Link para os melhores momentos: Botafogo 1 x 0 Fluminense]

[Link para declarações finais de Clarence Seedorf, campeão pelo Botafogo]