terça-feira, 16 de abril de 2013

Botafogo 4 x 1 Nova Iguaçu - Baila comigo



Não vou me aprofundar na análise sobre o jogo deste domingo (links seguem abaixo). O que gostaria de ressaltar aqui é o preparo físico do atual elenco do Botafogo.

Há muito tempo não temos um time tão bem preparado fisicamente como este Botafogo de 2013. Desde 2009 sofremos neste quesito, além de sermos obrigado a conviver com um departamento médico muito abaixo da mediocridade, que inclusive protagonizou momentos de extremo ridículo, vide o caso do diagnóstico e tratamento do problema físico do jogador Reinaldo.

O gramado encharcado de Moça Bonita fez feio e não seria o melhor laboratório para a observação deste aspecto. No entanto, o adversário, este sim, era um elemento prefeito para um teste comparativo. Digo isto porque tive a oportunidade de ver o Nova Iguaçu literalmente engolir o Vasco no meio da semana e o preparo físico da equipe laranja saltou aos olhos, sendo um dos fatores decisivos para a vitória. Parecia que jogavam contra um time de veteranos.

Neste domingo foi diferente. Não só foram dominados por uma equipe que soube ditar as variações do ritmo de jogo, mas também sofreram até o último minuto por enfrentarem um grupo com ‘gás’ suficiente para enfiar um quarto gol quando o resultado já estava definido e o Botafogo nitidamente administrava o resultado. E vejam que a definição da jogada veio através do Vitinho, já contundido!

O novo departamento médico – que recuperou Marcelo Mattos para deixá-lo na melhor condição física desde sua chegada ao clube e vem mostrando competência para manter o elenco principal à disposição do treinador – e os atuais responsáveis pela preparação física são elementos fundamentais para a fase de sucesso botafoguense. E não posso deixar de fora os próprios jogadores, pois sem os esforços individuais nada se constrói.

É preciso também fazer justiça citando o Seedorf. Em entrevista, Fellype Gabriel declarou que os treinamentos foram intensificados para se adequarem às demandas do Seedorf. Ou seja, a contribuição do craque holandês não se limita aos aspectos técnicos, táticos, psicológicos e de imagem pública. Um viva ao Botafogo ‘sarado’ de 2013!

Nota: Volto a repetir que é muito importante nesta rodada final que nossa vantagem seja mantida e que o prosseguimento desta vantagem não se transforme em acomodação. No entanto, o atual elenco do Botafogo tem inspirado tamanha confiança quanto à sua postura profissional e psicológica, que minha recomendação se torna meramente protocolar.

Leituras recomendadas:

- Botafogo 4 x 1 Nova Iguaçu

- Botafogo 4 x 1 Nova Iguaçu: Mané Clarêncio

Saudações botafoguenses!

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Botafogo 3 x 1 Friburguense – Vâmu qui vâmu!



Não pude assistir à partida de ontem e ao que tudo indica não assistirei, porque não será reprisada – monopólio dos meios de comunicação e abuso do poder econômico dão nisso.

Matematicamente classificado para as semifinais da Taça Rio e dependendo de si mesmo para garantir a vantagem de jogar pelo empate, tanto nas semi quanto em uma possível final do Carioca, tudo o que o Botafogo precisa é não deixar que um único ponto acima do Fluminense na tabela se transforme em acomodação.

Sobre a partida, sigam os links:

- Mundo Botafogo: Botafogo: chapa três outra vez

- Cantinho Botafoguense: Matematicamente garantido

Saudações botafoguenses!

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Botafogo 3 x 0 Olaria - O Lodeiro de sempre, o Vitinho como nunca


(Fotos: Fabio Castro/Agif e Gazetapress)

Botafogo vence o Olaria e segue na liderança, e com um jogo a menos.

O importante no momento é manter a postura aguerrida, a autoestima revigorada, o bom preparo físico e a seriedade que o elenco tem demonstrado, para que terminemos em primeiro lugar no cômputo geral, garantindo a vantagem dos empates. E é vital que sejam mantidas as escalações das duplas Bolívar/Dória e Marcelo Mattos/Gabriel, que têm ligação direta com a subida de rendimento da equipe, principalmente no setor defensivo.

O time se comportou bem no geral, apesar de Marcelo Mattos não estar em tarde inspirada – acredito que por cansaço. A participação de Vitinho foi extraordinária, Fellype Gabriel supriu a ausência de Seedorf em alto nível e Lodeiro continua se destacando tecnicamente, juntamente com seu já conhecido espírito de luta, apreciadíssimo pela torcida.

A equipe fez um primeiro tempo burocrático, mas tomou gosto pelo jogo na segunda etapa. No entanto ainda carece de jogadas de ataque bem articuladas, uma grave precariedade quando se apresentarem situações em que o adversário seja de nível semelhante ao nosso ou tenha um sistema defensivo bem montado. Os três gols são exemplos da escassez de jogadas coletivas bem treinadas.

Sobre o jogo, sugiro a leitura das seguintes análises:

- Mundo Botafogo: Botafogo 3x0 Olaria

- Fogo Eterno: Uma tarde de golaços

- Cantinho Botafoguense: Na ponta do grupo

Saudações botafoguenses!

 
(Foto: Fabio Castro/Agif)

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Vasco 0 x 3 Botafogo - mais que uma vitória


(A partir de fotos de Bruno Lima e Cleber Mendes/Lancenet)

A vitória sobre o Vasco, além de ser inquestionável em qualquer aspecto esportivo do futebol, é uma vitória que ultrapassa a pouca relevância de uma rodada de campeonato local e excede de forma extraordinária o resultado da partida, a importância dos três pontos, a iminência da nossa classificação e da desclassificação de um rival. Esta vitória sobre o Vasco também supera a satisfação do torcedor botafoguense em ver um time aguerrido, fisicamente muito bem preparado, unido, circunspecto, psicologicamente forte, e motivado talvez pela inevitável imagem de uma taça sendo erguida ao final da empreitada.

Porém o mais importante, e que destaco como essência desta partida, é o fato de que esta vitória de quarta-feira traduziu no campo de jogo a derrota dos que maquinaram contra o nosso sucesso, aqueles que apostaram suas muitas e pesadas fichas na crença tola de que não superaríamos os baques que foram a perda de nosso melhor jogador e a ameaça de sua suspensão prolongada, além da incerteza quanto ao cumprimento de nossos compromissos financeiros imediatos e o entravamento de contratos já em andamento e futuros – fruto da interdição oportunista e mal explicada do nosso estádio, um golpe multimilionário.

Derrotamos os “senhores do poder” e ainda revertemos a direção do ataque. Pois seus esquemas acabaram por revelar para nossos jogadores, nossos dirigentes e nossa torcida, que o Botafogo não se limita ao grande Seedorf e que tem força suficiente para frustrar, dentro de campo, os interesses dos que dominam as ações da comissão de arbitragem, as canetas dos políticos da ocasião e os teclados dos donos da mídia.

O tiro dos conluiados saiu violentamente pela culatra. Forjou no espírito deste grupo que entra em campo e do torcedor que o apoia das arquibancadas, o revigoramento da confiança e da auto-estima indispensáveis para transpor um sucesso de 90 minutos e uniu nossa torcida na certeza de que o Engenhão é nosso maior bem material e que o estádio não pode ser devolvido ao locador em hipótese alguma.

O Botafogo foi muito Botafogo nesta quarta-feira, transformando uma única e simples vitória em uma conquista múltipla e abrangente.

O campeonato segue, mas essa vitória fica.

***

Nota A.1: Esperamos que fora das quatro linhas nossos dirigentes mostrem a mesma capacidade de superação do time e reajam de forma contundente aos ataques que já estão nos prejudicando com restrições econômicas gravíssimas.

Nota A.2: Leiam também: Botafogo voando e goleando… sem Seedorf! e Botafogo 3 x 0 vasco: Tripla vitória.

[Adicionado em 5/4/2013: O conteúdo das declarações dadas na manhã de hoje pelo presidente Maurício Assumpção demonstram que o corpo gestor do Botafogo está no caminho certo, senão o único, para lidar com a interdição do Engenhão. Torcemos para que o presidente e sua equipe sejam capazes de encontrar meios para fazer com que os responsáveis pelos danos causados cubram o nosso prejuízo e que o Botafogo não deixe de utilizar um equipamento de valor inestimável para o futuro do clube.]

Saudações botafoguenses!
 
(Foto: Cleber Mendes/Lancenet)

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Morre Eduardo Paes

Prefeito do Rio é fulminado por destroços do Engenhão

Eduardo Paes dava a volta olímpica em comemoração pelo título do Vasco da Gama, quando foi trucidado por um enorme gancho que se desprendeu da estrutura metálica da cobertura do estádio botafoguense. O pesado objeto foi lançado a esmo pela força de um furacão com ventos fortíssimos de 65 km/h.

O gancho, de fabricação da Fergs Ltd (Forjas Emergenciais Rapinantes e Gatunos Sem Limites), não resistiu à fragilidade da conexão sustentada por um prego de má qualidade – fornecido pela inglesa Bennett & Sons – e por uma estrutura não confiável e desgastada da Rizek & Globe SA, empresa de capital “junto e misturado”, e de origem nebulosa.

Os jogadores do clube cruzmaltino, que carregavam Eduardo Paes nos ombros, nada sofreram além de derrotas e uma eliminação vergonhosa. A Delta, a OAS e a Odebrecht, no entanto, se livraram por completo do prejuízo, que foi totalmente absorvido pelo finado prefeito e seu governo muito vivo.

Saudações botafoguenses! (no 1º de abril...)