segunda-feira, 28 de novembro de 2011

A falta que faz uma boa infância


É natural que crianças comecem a identificar formas geométricas a partir de um ano de idade. São vários os brinquedos que exploram essa habilidade.

Infelizmente, tudo indica que os dirigentes do Botafogo não tiveram a sorte de poder exercitar o raciocínio abstrato com brinquedos dessa natureza, ou preocuparam seus pais ao insistirem, ano após ano, em encaixar peças quadrangulares em furos circulares. Pois chegando à idade adulta demonstram claramente que não desenvolveram a inteligência o suficiente para perceber a diferença entre um treinador de goleiros e um técnico de futebol. (Não foi à toa que demoraram mais de trinta rodadas para notar que Caio Júnior não era o que dizia ser).

É valido argumentar que não houve tempo suficiente para que o ‘assistente do aprendiz de técnico’ promovesse mudanças sensíveis na forma como o time joga. Mas não posso considerar válida a tese de que um treinador de goleiros seria melhor opção do que o treinador – técnico de futebol – campeão carioca de juniores, o Eduardo Húngaro. Muito menos quando é notória e ostensiva a afinação entre o assistente do aprendiz, Flávio Tenius, com o aprendiz, Caio Júnior.

O desastre que a invencionice de Tenius – bem ao modo de seu antecessor/mentor – provocou na lateral esquerda – com a escalação fatalmente decisiva do inesquecível Everton – somou-se à falta de jogadas de ataque, ao mau (ou nenhum) treinamento de conclusões a gol e a um despreparo psicológico evidente. O resultado é conhecido.

Que esse exemplo sirva para que esse tipo de brinquedo educativo seja lembrado por pais que almejem um pleno desenvolvimento intelectual de seus pimpolhos.

***

Nota 0.1: O despreparo psicológico da equipe é tão gritante, que me instigou a querer saber ao menos um pouquinho sobre a psicóloga contratada pelo Botafogo, a Dra. Maíra Ruas Justo.

Nota 0.2: Se os jogadores tivessem ‘aquilo’ que Abreu insiste em dizer que tem – mas que a cada partida mostra não ter tanto o quanto diz –, o chapeuzinho do atacante adversário no nosso goleiro teria troco.

Saudações botafoguenses!

[Link para os melhores momentos: Atlético-MG 4 x 0 Botafogo]

domingo, 27 de novembro de 2011

Ainda não acabou

(Foto: stockforfood)

À medida que a classificação para a Libertadores foi se distanciando, a torcida se intensificava e agora se multiplica em várias frentes, causando um certo desconforto e demandando mais esforço e concentração.

Hoje já não adianta mais torcer somente por uma vitória botafoguense: precisamos torcer por resultados alheios e não são poucos. Segue minha sugestão de torcida para este domingo:

1) Vitória do Corinthians sobre o Figueirense;
2) Vitória do Palmeiras sobre o São Paulo;
2) Empate entre Internacional Flamengo.

E, caso o resultado em Sete Lagoas não seja o esperado, seria bom que o Avaí e o Bahia vencessem suas partidas. Porque, mesmo que fosse um cala boca para o narcisista falastrão Caio Júnior, a décima posição seria injusta para com o potencial apresentado pelo elenco botafoguense durante a competição.

Se organizem, pois a rodada requer atenção redobrada.

Saudações botafoguenses!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Já era? Pode ser...


O time até que se empenhou. O primeiro tempo mostrou um jogo truncado, com forte marcação de ambos os lados. Mas a debilidade da preparação da equipe botafoguense era a mesma da maior parte da competição e, mesmo que o tempo entre a demissão do técnico e a partida de ontem fosse pouco para a produção de mudanças, jamais elas viriam a partir do comando de um sujeito que ostensivamente compartilhava das decisões do treinador que acabara de sair.

Mesmo assim, não sei como seria se tivéssemos algum outro jogador que não o Alessandro, algum jogador que não falhasse em duas oportunidades que levaram a dois gols adversários.

Mesmo assim, fica a incógnita sobre qual seria nosso destino, se Cortês – o ‘lateral de 3 milhões de euros’ – não tivesse falhado em uma série de gols nas últimas partidas; se Fábio Ferreira não ficasse até às 5 da manhã enchendo a cara em véspera de jogo; se o grande nome do primeiro turno não tivesse se agarrado a firulas e feito os botafoguenses entenderem o porquê da torcida do Vitória pedir a saída de Elkeson; se um jogador que não teria vaga no time titular de nenhuma equipe que disputará a Libertadores do ano que vem, tivesse titularidade garantida, como é o caso de Herrera; se Alexandre Oliveira e Felipe Menezes nunca tivessem parado por aqui; se El Loco não tivesse deixado sua garra no alicate da manicure; se tivéssemos uma diretoria atenta e ciosa aos interesses do clube.

Agora não temos nada além de um possível – porém improvável – arrefecimento da raiva pela campanha do ano passado: antes sexto do que décimo. Porque é isso o que fizeram restar à torcida de um clube que se tornou pequeno nas mãos da atual gestão.

Essa diretoria está a um passo de ser reeleita, apoiada por garbosos sócios proprietários, eméritos e beneméritos de coisa nenhuma, autoproclamados ‘ilustres alvinegros’. É este conjunto de pseudobotafoguenses que, unidos a um grupo de sanguessugas sem bandeira e a oportunistas de toda sorte, formam o pior que o Botafogo já teve em sua sede.

Mas o Botafogo sobreviverá a essa gente.

Saudações botafoguenses!

[Link para melhores momentos: Botafogo 1 x 2 Internacional]

domingo, 20 de novembro de 2011

Treinador de time de goleiros?


Uma dúvida nunca me saiu da cabeça: Caio Júnior seguia os conselhos do Flavio Tenius durante as partidas ou suas decisões desastrosas contrariavam as sugestões de Tenius? Essa dúvida anda se tornando uma assombração, pois, caso as dicas do treinador de goleiros eram levadas a cabo, nossa situação mudou de péssima para desastrosa.

Ademais, qual a explicação para nomearem um técnico de goleiros e não o Eduardo Húngaro, técnico campeão carioca Sub-20?

Saudações botafoguenses!

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Antes tarde demais, do que depois do fim


A diretoria botafoguense tomou uma atitude radical, corajosa e fundamental. Mesmo que extremamente tardia – e justamente por isso –, a ação do comando botafoguense se fazia urgente.

Íamos muito mal, caindo vertiginosamente, um time em frangalhos. Melhor fracassar tentando uma mudança, do que insistir no que está dando – muito – errado. Não existe pior do que péssimo e disso não passaremos, que é exatamente onde estamos.

Sei que talvez seja exigir demasiada ousadia da cúpula botafoguense, mas entre a soma de um preparador de goleiros e um interino (dois interinos de uma só vez!!!), eu ofereceria a vaga de treinador a Sebastián Abreu.

Pode parecer ironia, mas não é. A história mesmo guarda um exemplo, na figura do italiano Vialli, que acumulou as funções de jogador e técnico do Chelsea. E não foi uma aposta maluca, pois foi campeão em cinco competições.

Saudações botafoguenses!

Uma decisão vital


Ontem o Botafogo deu o adeus definitivo à disputa pelo título brasileiro.

O time parece um bando em estouro de boiada, cada um por si. Os jogadores perdem o equilíbrio com o primeiro revés – como no jogo de domingo – e não são capazes de reassumir o controle das próprias ações. Erram o que acertavam, fazem más escolhas, perderam o bom discernimento que tinham. Os maus desempenhos estão piorando a cada rodada e a tendência é continuarmos ladeira abaixo.

Sinto discordar de Abreu quando o atacante diz (algo assim) que existe “alguma coisa que acontece na reta final”, algo que também aconteceu em 2010, e que não tem relação com a comissão técnica. Pois este ‘algo’ tem, sim, relação direta com a comissão técnica, tanto no ano passado quanto este ano. E este algo chama-se COMPETÊNCIA.

Competência para treinar adequadamente os atletas, tanto nos fundamentos básicos, como na execução de jogadas; Competência para elaborar desenhos táticos gerais e pontuais; Competência para eleger as melhores estratégias de jogo; E, principalmente na reta final de uma competição desgastante, competência para administrar o quadro emocional do grupo.

E o principal responsável pela inexistência da competência essencial para o sucesso de uma equipe em uma competição da envergadura do Campeonato Brasileiro de Futebol é o técnico do time, o Sr. Caio Júnior.

Mais factível do que torcer por um milagre que reverta a situação desastrosa em que estamos, devemos torcer – e muito! – para que a diretoria afaste Caio Júnior do comando técnico do Botafogo. Pois somente uma mudança radical pode livrar o Botafogo de passar o ano de 2012 fora da disputa pela Taça Libertadores da América e lamentando o dinheiro e prestígio que deixou de obter.

Espero que a diretoria não permita que o excelente time de 2011 seja esquecido tão rapidamente, já no ano que vem.

Sabemos que é uma decisão difícil, que demanda muita coragem e independência, pois é notório que a imprensa e muitos setores das torcidas organizadas forjam a ideia equivocada de que Caio Júnior é um bom quadro. Porém, é em momentos como estes que os indispensáveis se destacam dos triviais.

Saudações botafoguenses!

Leituras recomendadas: Demitir é preciso (Fogo Eterno); A voz de Arthur Dapieve (Mundo Botafogo).

[Link para os melhores momentos: América-MG 2 x 1 Botafogo]

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Bola de cristal


Vou me atrever a entrar no universo movediço da futurologia. Não sou muito afeito à ausência de um anteparo sólido onde pisar, mas me arrisco, revelando o que o Biriba profetizou hoje à tarde.

O oráculo biribense predisse que na partida de hoje veremos um time muito bem treinado, com jogadas de ataque articuladas, um sistema defensivo coordenado e uma estratégia inteligente de jogo. As jogadas, claramente bem ensaiadas, esbarrarão na precariedade técnica de seus jogadores. Esse time é o América-MG.

Do outro lado uma incógnita, duas previsões:

1) Se os jogadores botafoguenses se rebelaram e aceitaram um levante comandado por Sebastián Abreu, veremos movimentações de ataque bem treinadas, jogadas ensaiadas de bola parada, uma marcação dinâmica à Celeste uruguaia – ora adiantada, ora baseada na intermediária do campo de defesa. Enfim, onze jogadores com cara de time de futebol profissional que pretende ser levado a sério. Ou:

2) Um meio de campo com bom toque de bola, um empenho irretocável, uma defesa descoordenada, um ataque estático e sem articulações claramente bem desenhadas, jogadores tentando penetrações baseadas em iniciativas individuais e isoladas, muito chuveirinho na área. Ou seja, um bando de gente bem paga parecendo um time de peladeiros de segunda categoria.

Confirmadas ou não as previsões do oráculo biribense, o resultado da partida está em aberto. Porque esse é o tipo de cumbuca que o Biriba não põe a mão, pergunta que não responde nem no Dia de São Nunca.

Mas, empolgado com essa estória de posar de Tirésias por um dia, o Biriba me disse que as chances de sucesso do Botafogo no campeonato estão estreitamente ligadas ao êxito da Rebelión de El Loco – como ele entusiasticamente batizou o feito épico. O profeta canino me garante que, caso o levante cisplatino se der a partir de hoje, temos chances, inclusive, de chegar ao título. Revelou, no entanto, que, se a rebelião for rechaçada, nossas chances de conquistar uma vaga na Libertadores são nulas.

Adelante, Combatientes Severianos!

Saudações botafoguenses!

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Caio Junior é um fracasso e o Botafogo está metido nisso


Ao comentar o jogo de ontem, o jornalista Lédio Carmona afirmou que a culpa pelas más atuações do Botafogo não deveria recair sobre o treinador, pois são os jogadores que não estão apresentando um bom futebol.

Discordo frontalmente da opinião de Lédio Carmona e considero um mistério a admiração que a maioria dos jornalistas especializados nutre por Caio Júnior.

Repito o que venho dizendo há muitas e muitas rodadas: foram os jogadores que fizeram a boa fama de Caio Junior e não o contrário; foram suas jogadas individuais que nos levaram à maioria das vitórias e não o esquema tático ou boas estratégias de jogo, coisas que Caio Junior é incapaz de produzir.

Através de jogadas coletivas ou ensaiadas chegamos ao gol adversário em contadas seis ocasiões. E estou sendo generoso na conta, pois incluo nesse pacote os dois gols contra o Palmeiras – gols de bolas cruzadas na área – e dois contra o Vasco, quando a defesa vascaína pareceu ter saído para tomar um cafezinho. Ou seja, a ‘obra’ de Caio Junior não forma um conjunto de dedos além do necessário para um gesto de paz e amor.

As duas últimas partidas foram exemplos perfeitos da completa falta de capacidade do atual treinador do Botafogo para orientar uma equipe de futebol da primeira divisão nacional. Pois quando nos deparamos com adversários bem montados taticamente, com sistemas defensivos coordenados de maneira inteligente, as jogadas individuais são neutralizadas com facilidade. Porque o futebol moderno é assim: pune quem não entende do riscado.

E Caio Junior não sabe nada sobre futebol moderno. Não passa de um falastrão egocêntrico, um marqueteiro pessoal, peça inútil para colaborar com qualquer clube que ambicione fazer parte da elite do futebol brasileiro.

A queda de rendimento individual dos jogadores se deve à completa inexistência de jogadas de ataque bem articuladas, de jogadas ensaiadas, de um sistema defensivo bem coordenado, de treinamento de fundamentos do esporte. Em suma, o Botafogo sofre pela carência de uma cabeça pensante fora de campo, capaz de preparar a equipe para funcionar de forma coletiva e articulada, apta a criar oportunidades para que a técnica individual de seus jogadores aflore.

Técnicos de bom nível já notaram que Elkeson chuta bem de fora da área, conhecem a aptidão de Maicosuel para a penetração em diagonal e perceberam que nossos laterais apoiam simultaneamente e sem cobertura. Conhecem nossos pontos fortes e nossas fraquezas, e se deleitam por parecermos um time de futebol de botão, um time estático. Conseguem nos anular com relativa facilidade, pois Caio Junior não possui recursos ou alternativas para fugir das armadilhas criadas pelos adversários, que nos forçam a tentar sobreviver através de bolas cruzadas à área – muito mal cruzadas, por sinal.

Difícil conceber a ideia de que o Botafogo sob o comando do atual treinador é um time previsível e banal, apesar de formado por jogadores surpreendentes e incomuns. Mas Caio Junior, embora seja repetitivo e modorrento, consegue surpreender com sua inequívoca capacidade de transformar joia em quinquilharia – um alquimista ao avesso.

Além da falta de capacidade para preparar adequadamente a equipe para as partidas, Caio Junior demonstra uma miopia constrangedora durante os jogos. Declarou – para meu espanto, evidente! –, que já esperava pela proposta de jogo vascaína, o que me deixou furiosamente curioso para saber o porquê de não haver reposicionado sua equipe – quando a estratégia adversária se confirmara –, a fim de evitar os inúmeros contra-ataques sofridos.

Cristóvão Borges precisou observar uma só investida de Caio Canedo pela direita, para neutralizar definitivamente esta opção. Do nosso lado – ou contra nós –, Caio Junior passou toda a competição sem perceber o jogo de nenhum de nossos adversários.

A imprensa anda adorando ídolo de barro e a diretoria do Botafogo não perde o gosto pelo fracasso.

[Link para os melhores momentos: Vasco 2 x 0 Botafogo]


domingo, 6 de novembro de 2011

Pano sem forro


Não comentei sobre os jogos contra o Atlético-PR, Santos, Avaí e Cruzeiro. Mas o que o Botafogo exibiu na 33ª rodada não foi muito diferente do futebol que jogou nessas quatro últimas partidas, esse futebol de 50% de aproveitamento. Na verdade, o que foi visto na tarde de ontem foi muito parecido com o que o Botafogo apresentou durante todo o campeonato, depois do advento do Renato: ótimo toque no meio de campo e inexistência de jogadas de ataque bem treinadas ou ensaiadas.

Seria injusto se eu não citasse os jogos contra o Palmeiras e o Ceará, quando o Botafogo deu ares de ser um forte candidato ao título, exibindo, além do já conhecido toque envolvente no meio campo, jogadas de ataque claramente bem elaboradas nos treinamentos. Infelizmente foi um lampejo.

O elenco é ótimo, talvez o melhor desde 95.

As novidades de 2011 foram determinantes para o sucesso atual do Botafogo. Renato se encaixou como a peça perfeita que faltava à engrenagem do meio de campo, e a força ofensiva e defensiva da dupla Maicosuel-Elkeson supriu a inexistência de jogadas de conjunto, com sua força, velocidade e inventiva. Os laterais Cortês e Lucas acrescentaram melhor qualidade técnica e opções de ataque.

Unindo-se essas peças à já conhecida qualidade de Jefferson e à liderança e presença de área de Sebastián Abreu, o Botafogo formou um time muito equilibrado, que consegue inclusive absorver os desempenhos inconstantes da dupla de zaga e de Herrera.

É a força deste elenco o que nos garantiu a posição em que estamos até o momento. São as iniciativas individuais o que nos tem levado aos gols e é nosso goleiro que nos salva da ausência de coordenação defensiva.

Esse tecido de primeira perde o estofo quando associado à incompetência de um treinador neófito, que não consegue criar jogadas coletivas de ataque e nem mesmo treinar fundamentos como os cruzamentos à área, para implementar sua tática primária, preguiçosa e recorrente: o ‘chuveirinho’.

Quando nosso goleiro falha ou deixa de operar milagres, quando uma defesa bem montada não permite que o ímpeto ofensivo e a qualidade individual furem seu bloqueio, quando os rebotes perdidos na área adversária não são aproveitados, quando o acaso não nos beneficia, a tendência ao fracasso se potencializa. Porque o time não possui jogadas coletivas, o ataque se posta de maneira perdida, as movimentações são inócuas e mal articuladas, em suma, não temos um sistema tático bem construído e definido, que compense os dias de pouca inspiração dos talentos individuais.

Todos, sem exceção, admiraram o Botafogo da partida contra o Ceará. Na ocasião, os próprios jogadores revelaram que a linda jogada que antecedeu o gol de El Loco foi ensaiada, bem treinada, e que abriram mão de um treino recreativo (‘rachão’) para fazer um treino tático (combinar jogadas). Pena que a preguiça ou a falta de ambição tenham nos arrastado de volta à banalidade.

Mas sorte nossa que o aproveitamento geral dos competidores está abaixo dos 60%. Mais sorte ainda é o elenco botafoguense continuar sendo o mesmo, porque eles – e somente eles – têm estofo, sim, para vencer o campeonato.

Saudações botafoguenses!

[Link para os melhores momentos: Botafogo 0 x 1 Figueirense]