terça-feira, 30 de junho de 2009

O planejamento deu certo

(Clique na imagem para melhor visualizá-la)

Vamos para a nona rodada do Campeonato Brasileiro de 2009. Isso significa que restam 29 partidas para conhecermos o campeão, os três clubes que se juntarão a ele para disputar a Libertadores da América do ano que vem, os oito times com direito de competir pelo título da Copa Sul-americana e os quatro “perebas” destinados ao descenso.

Como o rendimento do Botafogo permanece estável, com índice de aproveitamento entre 20 e 30% desde a terceira rodada (25% no momento), eu e o Biriba calculamos que nosso time de coração atinja um total de cerca de 30 pontos ao final do campeonato, com o Glorioso fazendo parte do quarteto dos piores de 2009, passando o ano de 2010 lutando para voltar à "elite" do futebol.

Mas os dirigentes afirmam que não há motivo para mudanças, que não vão alterar o "planejamento", o que dá a entender que trata-se da peça mais importante na engrenagem projetada pela atual gestão, um elemento que está "dando certo". Gostaria que a diretoria fizesse planejasse melhor sua estadia no inferno.

Anderson Barros é uma fraude


“Toda contratação é delicada, posso dizer que falta uma ou outra peça. Trouxemos agora Teco e Jean Carioca. Um estava na final da Libertadores e outro é um garoto que foi bem no ano passado. Temos de ter esse equilíbrio na hora de contratar.” (Palavras de Anderson Barros. Fonte: Lancenet, 7/1/2009)

Anderson Barros, gerente de futebol do Botafogo, especialista em contratações de peso e contradições abismais, produziu esta pérola da pilantragem futebolística em janeiro deste ano.

Estas contratações tiveram como resultado um jogador que ficou cinco meses aos cuidados do Departamento de Medicina Legal de General Severiano e outro que apresenta rendimento técnico irrisório. E ambos não sentam nem no banco de reservas do time.

Anderson Barros faz mal à saúde


(Imagens: globoesport.com)

“(...) Num momento desses seria muito fácil troca (sic) de comando (...)” Por que tentar o caminho mais difícil? “ (...) Nós temos trabalhado incessantemente na busca desses atletas (...)” “(...) Nós temos a consciência que nós precisamos dar ao nosso treinador peças para que a gente possa desenvolver melhor e atingir os nossos objetivos (....)”

Resta à torcida acreditar que um clube que não disputa a Libertadores da América precise de mais de 33 jogadores no plantel.

“(...) O que a gente não pode perder é fugir àquilo que nós acreditamos... (ininteligível) ...o nosso planejamento, pra que a gente possa atingir nossos objetivos (...)”

Se o “nosso” planejamento e os “nossos” objetivos são a última colocação e a disputa da série B em 2010, não há o que mudar.

“A responsabilidade é de todos (...) a responsabilidade é da gerência de futebol, do comando técnico e dos atletas que hoje aí estão.”

Sobrou para os “atletas”. Obviamente que levamos uns seis gols nas últimas duas partidas por falhas individuais. Mas eram indivíduos que estavam em campo por decisão do treinador e foram contratados pela diretoria da qual faz parte o “verbo-disléxico”, Anderson Barros.

“ (...) A gente pode analisar os jogos que nós fizemos nas últimas rodadas e nós temos a consciência que nós poderíamos estar numa condição melhor (do) que nós estamos hoje (...)”

Se ao falar “últimas rodadas” o gerente de futebol do Botafogo quis fazer referência às duas últimas partidas, pode-se deduzir que a “consciência” de Anderson Barros é semelhante à capacidade de abstração de uma bactéria.

Na verdade a semelhança entre Anderson Barros e um micróbio maligno não se limita ao rendimento intelectual de ambos.

Bactérias sobrevivem detectando pontos fracos em organismos vivos, explorando estas deficiências. Agem patologicamente e podem levar o hospedeiro à morte, se nenhuma providência for tomada para a aniquilação destes seres nocivos.

Anderson Barros – o dirigente rubronegro que atualmente “gerencia” o futebol do Botafogo – age da mesma forma. Alimenta-se das forças que subtrai de clubes que por fragilidade financeira e fraqueza de comando deixam-se infectar por organismos usurpadores. Isto pode ser confirmado pela torcida do Figueirense, à qual Anderson Barros legou o rebaixamento para a segunda divisão do Campeonato Brasilero de 2009.

O Botafogo precisa urgentemente de tratamento intensivo para extirpar Anderson Barros de seu quadro diretor, pois trata-se de um agente de moléstia fatal. Ou General Severiano se cura deste microrganismo hipertrofiado, ou essa doença mata o Botafogo.

O caminho dos ratos

(Foto: Hermínio Nunes)

Publico abaixo declarações de Anderson Barros após demitir-se do cargo de gerente de futebol do Figueirense Futebol Clube, em matéria de Michele Cardoso, publicada em 11 de dezembro de 2008 no site clicRBS.

“Agora é oficial. Eu só tenho que agradecer, pedir desculpas principalmente aos funcionários do clube por não ter conseguido manter o time na Primeira Divisão, o que dá a eles uma segurança maior; pedir desculpas aos funcionários do futebol que se dedicaram e se entregaram ao máximo para que as coisas acontecessem. Ao torcedor, que eles tenham confiança que o Figueirense irá voltar para o lugar que ele merece estar, porque há trabalho, há dedicação e eu não tenho dúvida de que as coisas acontecerão.”

Vem da cultura popular a crença de que os ratos são os primeiros a abandonar o navio em caso da iminência de um naufrágio. Mas isto não se aplica ao caso de Anderson Barros. Como um rato, ele drena os depósitos dos clubes que infesta, mas, diferentemente daqueles prodigiosos roedores, só “abandona o barco” quando o naufrágio já se consumiu.

Parece que o trabalho de Anderson Barros tem como objetivo o próprio desastre e, por força de seu perfeccionismo, o “cartola” fica até o último instante, para certificar-se de que a vida de sua vítima já se expirou, como um facínora desempenhado a função de matador profissional, a conferir o sucesso da empreitada.

“Sou profissional, acredito no meu trabalho, tenho confiança nos resultados, tenho confiança nos números que normalmente eu apresento, acho que isso é o mais importante.”

Júlio Santana, um assassino de aluguel que matou 492 pessoas, também considerava-se um profissional, acreditava em seu trabalho e tinha confiança nos resultados.

Leslie D. Murdock confiava nos números que normalmente apresentava e achava isso o mais importante. Mas os investidores, que perderam cerca de 40 milhões de dólares em seu esquema fraudulento, não pensam da mesma forma.

Se Anderson Barros se acha um profissional, acredita em seu trabalho e acha que é isso o que importa, pensa sob os parâmetros de um delinquente. O que o torcedor botafoguense espera é que o presidente Maurício Assumpção tome as rédeas do clube e ponha esse incompetente no olho da rua.

O legado de Anderson Barros


(Este texto foi postado anteriormente e deslocado para este espaço para que se incorporasse ao vasto dossiéprontuário? – de Anderson Barros, o "Arquiteto da Destruição")

O diretor de futebol da atual gestão desgovernada do Botafogo, encabeçada por Maurício Assumpção, merece mais espaço – inclusive, por uma simples questão de adequação arquitetônica.

O jornalista Marcelo Damato escreveu em seu blog, Além do Jogo, no Lancenet, texto intitulado "Há coisas que só acontecem...", que ilustra bem o sujeito que ocupa um cargo de grande importância no Botafogo. Segue a matéria na íntegra:

"A nova diretoria do Botafogo parece que está realmente decidida a eclipsar a do Vasco no quesito das besteiras. O clube anunciou Anderson Barros como novo gerente de futebol.

O rapaz tem as seguintes qualidades:

Trabalhou dez anos no Flamengo. Começou pelo futsal, depois passou ao futebol de base. Em 2005, finalmente chegou a gerente de futebol profissional e fez besteiras a rodo. Foi um dos piores anos do Flamengo nos últimos tempos. O time até levou goleada do Olaria. Terminou a Taça Guanabara em último lugar no seu grupo.
Foi eliminado da Copa do Brasil pelo Ceará e terminou o Brasileiro em 15º lugar.

No meio do ano, o clube vendeu Ibson por cerca de 1 milhão de Euros. Depois da venda, passou um tempo imenso viajando atrás de reforços e voltou de mãos abanando.

É autor de uma das frases mais desatinadas que ouvi na vida. Não me lembro mais o que ele falou. Mas não me esqueço de que estava indo para o aeroporto com o rádio ligado. Estava dirigindo sobre uma das pontes mais movimentadas de São Paulo e por pouco não causo um acidente, em cima do rio Pinheiros.

Nos últimos três anos, esteve no Figueirense. No começo até que foi bem, mas desandou. No início do campeonato de 2008, disse que o time disputaria vaga na Libertadores e acabou rebaixado.

No meio do ano, já arrumava confusão depois de tomar as seguintes atitudes:
1) Obrigou o então técnico Guilherme Macuglia a realizar treinos secretos, contrariando a vontade da torcida, dos jornalistas e, pior, do próprio técnico.
2) Nas entrevistas, proibiu os jornalistas de fazer mais de uma pergunta cada um.

É claro que no fim do ano, ninguém mais o aguentava.

Por fim, segundo li, é primo de primeiro grau da MFD, empresa que controla grande parte dos jogadores do clube.

Como diz, o Eduardo, a volta da “quinta força” está mais perto do que se pensava.” (Nosso grifo ao longo de todo o texto)

Preciso acrescentar algo?

(O jornalista Marcelo Damato certamente ganhou mais um leitor).

Saudações alvinegras!

domingo, 28 de junho de 2009

Benjamin


De uns tempos pra cá, os jogadores do Botafogo só vestem a camisa da seleção brasileira nas categorias “inferiores”.

Benny Feilhaber, carioca radicado nos Estados Unidos, botafoguense de coração, defenderá a seleção de seu país adotivo.

Como a seleção brasileira foi dissolvida em 1990 e substituída pelo time da CBF – que não treina e só faz “rachão recreativo” para “evitar o desgaste físico” –, acho que vou torcer pela figura humana, uma vez que o sentimento coletivo foi trocado pelo individualismo radical.

Acredito que somente um dos times estará em campo defendendo a bandeira de seu país, uma vez que o outro nada mais é do que um "espetáculo" que promove a máquina de marketing de uma marca afeita a cabeças bem escanhoadas. Assim sendo, que prevaleça o sentimento de amor à pátria.

Até porque Benny Feilhaber é um botafoguense – “He’s a Botafoguean” e estarei junto a esta nação onde ela estiver. (E também não posso reclamar de falta de estrelas na bandeira deles - um tanto quanto colorida demais pro meu gosto).

Saudações alvinegras!

Envergonhando 89


Pergunta 1: Por que os jogadores do Botafogo o “defendem” com tamanha apatia?
Pergunta 2: Por que Fahel entrou na partida?
Pergunta 3: Viramos especialistas em tomar 4 gols por partida ou é meta já alcançada, estando o Botafogo em busca de superar esta marca, para desespero da torcida?
Pergunta 4: Por que Ney Franco não é demitido?
Pergunta 5: Será que não existe em General Severiano um copeiro com espírito épico o suficiente para envenenar a comida de toda a diretoria e comissão técnica e acabar com toda uma era de incompetência e banditismo de uma só tacada, desestimulando de vez tentativas futuras de formação de novas canalhadas?
_______

Sobre os gols:

1) Se Juninho tivesse se esforçado um pouquinho mais, faria mais bonito, colocando a bola no peito do atacante adversário; Leandro Guerreiro dentro da área é uma piada.

2) O Hello Kitty fez “Au, au” e marcou um golaço, desmarcado como se jogasse uma pelada com garçons, nas madrugadas do Aterro.

3) Emerson, seu filho da puta!; O juiz não aplicou a lei da vantagem, o que evidenciaria a deficiência crônica de Renan nas saídas do gol.

4) Leandro Guerreiro dentro da área é uma piada; Emerson, ao invés de procurar brigar pela bola, fez mais um pênalti, mas o juiz desta vez optou pela lei da vantagem.

5) Leandro Guerreiro dentro da área é uma piada; Por que Batista ficou parado pedindo a marcação de impedimento e ainda posou de turista durante o decorrer da jogada, desde o momento em que o companheiro brigava pela bola sozinho e perdia a disputa, até o fim do desenrolar dos lances subsequentes?

Hoje, a comemoração à quadrúpede do plagiário Victor Simões seria perfeitamente adequada ao comportamento bovino da equipe alvinegra.

Saudações alvinegras!

sábado, 27 de junho de 2009

Sub-Botafogo

Biriba pediu para que eu "diagramasse" como matéria principal, uma notícia de rodapé do jornal O Globo de hoje, por entender que trata-se do fato mais importante do dia:

“ TOUR: Em agosto, o sub-20 do Botafogo viajará à Holanda para dois torneios e até seis amistosos.”

Divagações:

1) O Botafogo continua tendo prestígio no exterior.

2) Os "garotos" são bons para os olhos do mundo, mas não servem para o Botafogo.

3) É uma forma de "oferecer" novos talentos ao mercado internacional, antes mesmo que a torcida alvinegra conheça essas jovens promessas?

4) Deve ser melhor assistir ao time de Luizinho Rangel, do que acompanhar o jogo que começa em alguns instantes.

Bob é Bob, Ney é stupid


Para quem gosta de uma defesa bem organizada, conhecedora das próprias qualidades e das do adversário e que joga com inteligência, empenho, coragem e, principalmente, abnegação, foi um deleite ver a seleção dos Estados Unidos enfrentar a da Espanha.

Os apreciadores de equipes com disciplina tática impecável, estratégia de jogo inteligente e claramente definida e que desempenham estes atributos com afinco e muita, mas muita determinação mesmo, foram presenteados com a exibição do time americano.

Somente desta forma, usando uma combinação da razão com o espírito de luta – pois não havia outra possibilidade –, o mais fraco pôde superar o mais forte.

Pareceria um absurdo pensar em aprender com os americanos do norte como se joga o “nosso” futebol? Tratando-se do Botafogo de Ney Franco, a resposta é “não”.

Porque o Botafogo de Ney Franco é o Botafogo de Maurício Assumpção, André Silva, Anderson Barros, MFD, Traffic, Ability, Vantuil Gonçalves, Eduardo Uran e congêneres, um universo em que o absurdo é a norma.

Ney Franco bem que poderia aprender muito – ou tudo, já que nada sabe – sobre as técnicas necessárias para fazer uma equipe de futebol jogar organizadamente, inteligentemente e ardorosamente. E tudo isso sem absolutamente NENHUM jogador brilhante.

Mas Bob Bradley pouco poderia ensinar a Ney Franco, já que as conquistas do treinador americano dependem de sua inteligência, atributo que Ney Franco definitivamente não possui.

O lixo


Ney Franco diz: "Lúcio nos foi indicado e fiz o compromisso de observá-lo melhor. Mas o que estamos precisando no momento são jogadores de Série A, que todos conhecem. Com uma base montada, é preciso dar o tiro certo, como Zé Roberto. Não vale (sic) mais apostas." (Lancenet)

Nada disso, Sr. Ney Franco!

Ninguém melhor do que o torcedor botafoguense conhece muito bem o jogador e sabe que Zé Roberto é um tiro certo... no pé.

É o mesmo jogador que fez corpo mole quando quis ser transferido, e que foi mal na Alemanha, e agora é dispensado pelo time da Gávea por insuficiência técnica. E é um jogador que ninguém quer, um “profissional” "sem mercado”.
_______

Outro refugo rubro-negro que “interessava” (interesses escusos, isso sim) ao sofrível técnico do Botafogo era Josiel, que parece ter tido sua contratação descartada. Amém!

Ao torcedor botafoguense resta ver sua diretoria ampliar a variedade de campos de atuação do então Glorioso, que agora, além de centro de reabilitação, albergue de desempregados, fundação de amparo a desvalidos de toda sorte, abre uma nova frente de empreendimento e transforma General Severiano em aterro sanitário.

Atração fatal ou - mais lixo do mesmo


A relação entre General Severiano e o universo rubronegro não parece coisa muito proveitosa para o Botafogo.

- O “acerto” da final da Taça Rio não foi uma decisão acertada (fico na dúvida se isso é um trocadilho ou não).

- A tentativa de contratação dos 2 refugos sem destino e sem mercado não é coisa que possa ser fruto da cabeça de um botafoguense.

- O inofensivo atacante Victor Simões é jogador empresariado pelo flamenguista Eduardo Uran.

- O Dr. Vantuil Gonçalves, ex-diretor jurídico e atual representante da MFD – empresa de consultoria a cargo de gerir o fundo de investimentos – é notório vermelhopretista.

Saudações alvinegras!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Matemática do caos

(clique sobre a imagem para vê-la em tamanho natural)

As "metas" estipuladas por Ney Franco nos levaram, até o momento, a 28,6% de aproveitamento. Continuando neste ritmo chegaremos ao final do campeonato com aproximadamente 33 pontos.

Tirem suas próprias conclusões.

Saudações alvinegras!

terça-feira, 23 de junho de 2009

Matemática do caos

As "metas" estipuladas po Ney Franco resultaram nos seguintes números:

- 28,6% de aproveitamento.

- 5,3% dos pontos em disputa.

sábado, 20 de junho de 2009

Não pode dar certo

Um time que tem como técnico um cantor desentoado, não está interessado em ganhar nada. Um clube que mantém como responsável pela preparação técnica de sua equipe o Sr. Ney Franco – o gogó de ouro de Ipatinga –, mestre do palavrório hermético e do discurso vazio, um desprezível demagogo autoadulatório, não tem o sucesso como meta.

Porque um treinador que pensa que, dentre os zagueiros que tem à sua disposição, os melhores são Emerson e Juninho, não pode entender nada de futebol. Um treinador que acha que o jovem Renan está mais capacitado para defender o gol do Botafogo do que o experiente Castillo, não tem preparo para exercer sua função. Um treinador que não consegue fazer com que 3 volantes consigam proteger a zaga, não pode ser o responsável pela preparação da equipe do Botafogo de Futebol e Regatas.

Não vou comentar sobre o jogo, pois não pude assistir ao primeiro tempo da partida.

Perguntas relacionadas aos gols:

1) Alguém teria argumentos para me convencer de que Juninho pode ser considerado um zagueiro de futebol da primeira divisão do Campeonato Brasileiro? O Emerson estava marcando quem, para estar na posição que estava, dando condições de jogo ao atacante adversário? Obrigado Lúcio Flávio, por não conseguir dominar uma bola fácil toda vida e ainda não tentar recuperará-la.

2) Alguém teria argumentos para me convencer de que Emerson pode ser considerado um zagueiro de futebol da primeira divisão do Campeonato Brasileiro? Juninho estava marcando quem, para não ter ido conferir o desenrolar da jogada que seu companheiro de zaga disputava sozinho? O que faz ou deixa de fazer o treinador de goleiros, Rubens Lima, para que Renan saia do gol da forma que sai e dê um chute ridículo como o que deu? Foi sorte do atacante? Claro que foi sorte o fato de ter Renan pela frente.

3) Juninho é o melhor cobrador de faltas atuando no Brasil. Poderia ficar o tempo todo no campo de ataque esperando por uma chance de cobrança, para não ter o trabalho de atravessar o campo inteiro para praticar sua especialidade, o que ainda evitaria que atrapalhasse a própria defesa?

4) Por que Juninho não dá combate a um jogador que está com a bola dominada à sua frente na entrada da área e ainda fica olhando o sujeito chutar a gol como bem entende? Quem Leandro Guerreiro estava marcando? Por que Lúcio Flávio e Batista vinham “trotando” pelo meio do campo como quem não quer nada com a hora do Brasil? O que faz ou deixa de fazer o treinador de goleiros, para que Renan não rebata as bolas para os lados? Por que Leo Silva não acompanhou a jogada que poderia resultar em um rebote? Porque a defesa do Botafogo não sabe fazer uma linha de impedimento?

5) Por que o Botafogo não tenta sempre ter pelo menos 3 jogadores dentro da área em jogadas que não sejam de contra-ataque? Até quando o Batista será nosso salvador da pátria? (Com relação a esta última pergunta, Biriba torce para que Batista continue sendo um iluminado).

6) Por que jogadas bem trabalhadas não acontecem com frequencia? Será que foi sorte de peladeiro?

7) O que faz ou deixa de fazer o treinador de goleiros, Rubens Lima, para que Renan saia do gol da forma que sai? Por que estavam todos os defensores no mano a mano aos 44 do segundo tempo? O que estava fazendo Juninho observando de fora da área um lance de bola lançada à área pelo alto?

Coisas assim acontecem porque o técnico do time é um incompetente, apoiado por uma diretoria omissa. Com a atual diretoria e Ney Franco, o Botafogo continua a caminho do caos.

Mea culpa? Que nada...

"Quando eu olhei, ele estava sozinho. Tive que sair para fazer a defesa, mas o Apodi foi mais rápido e acabou tocando primeiro na bola. Mas futebol é assim mesmo e agora é trabalhar para as próximas partidas."

Balela.

O sistema defensivo é caótico e estavam todos no mano a mano. Mas quer saber, Renan? Vá treinar saídas do gol e não encha o saco!

Saudações alvinegras!

Garrincha




Como o Rui Moura lembrou – como sempre lembra, afinal o Mundo Botafogo / Estrela Solitária é também, e talvez primordialmente, um espaço dedicado à história do Botafogo – a data de falecimento e homenageou o Chaplin do Futebol, deixo aqui algumas imagens – o que, pelo visto, está se tornando uma série dentro do Botafogo do Biriba, em tempos de falta de tempo –, desta vez de Manoel Francisco dos Santos, o Sr. Garrincha.

A estrela lá em cima é em sua homenagem.

(Esqueçam a música, que quando é boa foi mal "escalada", e quando é ruim não tem jeito – assim como o Emerson e o Fahel).


(Imagens: Canal 100 + Nelson Rodrigues e Pereio)









Saudações alvinegras!

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Mais um dia de folga


(Imagens: Canal 100, veiculadas pela Jovem Pan Online)

Para não deixar furo com os leitores, mais imagens. Conhecidas, porém históricas.

O Botafogo foi garfado neste jogo. As piores coisas não ficaram no passado.

Saudações alvinegras!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Dia de folga


(Imagens: Canal 100)

Biriba me concedeu uma folga hoje. Ele acha que o blog está interferindo na minha vida profissional - me contratou como freela por uma bagatela. Um vira-latas de bom senso, mas pão-duro pra caramba.

Pediu pra que eu conseguisse um divertimento para nossos 10 leitores, pra não correr o risco de perder espaço para a concorrência. Deixo aqui um filminho educativo.

Num determinado momento do filme, o narrador diz: “Embora o empate beneficiasse o Botafogo, isto estava fora de suas cogitações. Ele queria de fato a vitória e pressionava”.

Precisa dizer mais? Bons tempos.

Saudações alvinegras!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Precisamos de uma CPE ou de uma CPI?


Li sobre o "lançamento" da Companhia de Participações Esportivas (CPE), o tal fundo de investimentos e, apesar do texto não esclarecer devidamente o funcionamento desta instituição, parece que não será um bom negócio para o Botafogo.

Como não foi publicado o estatuto/contrato, não posso avaliar a fundo as pretenções do projeto, mas aí vai o que deduzi do que foi publicado.

Dos termos expostos:

1) A consultora técnica do fundo é a MFD.

Empresa do mesmo naipe da Traffic, Ability e do empresário futebolístico Eduardo Uran, que todos sabem o mal que fizeram e fazem ao Botafogo. Com essa gente o Botafogo nada tem a ganhar.

2) Não existe referência à cota destinada ao Botafogo sobre os direitos econômicos do jogador contratado.

Parece que simplesmente não existe. Ou seja, oficializaram um sistema semelhante ao que permitiu a promoção de Maicosuel e sua venda, sobrando ao Botafogo as migalhas;

3) O fundo contrata e o Botafogo paga o salário.

Quer dizer: Está sem onde cair morto? Está desvalorizado no mercado? Assine um contrato com o Botafogo e tenha uma pensão por 5 anos sem nem precisar ficar no banco, como é o caso de Jean Coral. A diferença entre a situação de Coral e Victor Simões é somente relativa à titularidade e "um pouco" à técnica. Porque a empregatícia é idêntica.

E quem pagaria a multa contratual por uma eventual rescisão? Os investidores? (Foi uma piada, escapuliu).

4) O Botafogo terá o poder de vetar qualquer contratação de interesse da CPE.

Boa cláusula. Mas os responsáveis por intervir pelos interesses do Botafogo são André Silva e Anderson Barros, o que dispensa comentários.

5) Maurício Assumpção espera que "gente importante" invista no negócio, que tem o valor mínimo de 150 mil Reais. E pessoas "inclusive de outros clubes".

O que leva um dirigente de um clube de futebol profissional a pensar que "gente importante de outros clubes" vai colocar os interesses do Botafogo na equação de um negócio que involve tais valores?

Conclusão:

Estão usando o Botafogo para fins espúrios, que em nada contribuem para o crescimento do clube e ainda subtraem seu potencial. Só que agora fazem às claras e oficialmente.

Os bandoleiros, inspirados no padrão ético do Congresso Nacional, espalharam-se contaminando todas as instâncias da sociedade brasileira com suas práticas criminosas, alardeadas sem pudor. E chegaram com voracidade à General Severiano.

Estão usando o Botafogo para finalidades autocráticas, confirmando tudo o que se aventava e oficializando a tramoia.

Estão acabando com o Botafogo.

Saudações alvinegras!

Búfalo Bill

(Já vestindo uma camisa com as cores certas)

“Jogar pelo Botafogo seria a realização de um sonho de criança. Na minha família, a maioria torce pelo clube. Assim que soube do interesse, liguei para alguns parentes, que ficaram muito felizes.” (Declaração de Bill ao Lancenet)

“É um jogador interessante. Não podemos ainda dar muitos detalhes, mas o Bill está sendo analisado e esperamos evoluir com a negociação.” (André Silva, no Jornal dos Sports.com.br)

Foi anunciada a possível contratação de Bill, atacante e artilheiro do Bragantino. Não sei as condições físicas em que se encontra, mas as imagens que consegui no Youtube me deram a impressão de tratar-se de um goleador.

É certo que estes compactos são uma compilação dos “melhores momentos” e o bagaço há de ficar de fora. Tudo bem que todos os chutes levam endereço e as bolas isoladas vão para o lixo. E são muitos gols. Mesmo assim as imagens revelam um indício de que Bill é bem melhor tecnicamente do que todos os atacantes do elenco alvinegro. Além de parecer melhor, inclusive, que o mediano Otacílio Neto, o qual também interessa à diretoria.

Acho que a torcida não se decepcionará, como ocorreu com Reinaldo, não se iludirá – falo por mim -, como aconteceu com Victor Simões e não será enganada pela diretoria, como foi, nos episódios das contratações de Jean Coral e Tony.

Se não for mais um que já chega “bichado” e/ou fora de forma, parece ser um bom reforço - está em atividade e é vice-artilheiro da Série B.

Seria bom que André Silva se apressasse em negociar com Bill, porque o Santos também está no páreo, de olho no jogador. Ao invés de perder tempo valioso com Otacílio Neto - viajou ontem à São Paulo para negociar com o jogador -, poderia ter feito antes uma baldeação em Bragança Paulista, antecipando-se aos santistas. Mas como nada de bom pode-se esperar do dirigente, Silva deixou para tratar com Bill em vagos “próximos dias”.

Além de ser melhor jogador, Bill pode estrear imediatamente. O que não é o caso de Otacílio Neto, que tem que esperar o encerramento da Copa do Brasil.
_______

“Ele não vai para o Botafogo. Já tenho coisas melhores para ele, uma do Brasil e outra do exterior.” (Fernando Garcia, empresário de Otacílio Neto ao Lancenet)

Torço para que a vontade do empresário de Otacílio Neto prevaleça e o Botafogo não tenha que dar casa a mais um refugo futebolístico.

STJD alvinegro

Melhorar a escalação do Botafogo para a partida de sábado próximo está nas mãos do STJD, que apresentou denúcia contra Emerson e pode suspender o "jogador" pelo chute que deu em Fred, no último confronto contra o Fluminense.

Seria uma injustiça dizer que Emerson teve a intenção de chutar o rosto do adversário, mas ofensa maior é vê-lo atuar pelo melhor time do mundo. Que pegue a pena máxima e livre a torcida de ter que aturá-lo por 6 partidas.

Justiça seja feita.

Saudações alvinegras!

Arte de Kinuko Y. Craft

terça-feira, 16 de junho de 2009

Bill "The Kid"

“Jogar pelo Botafogo seria a realização de um sonho de criança. Na minha família, a maioria torce pelo clube. Assim que soube do interesse, liguei para alguns parentes, que ficaram muito felizes.” (Declaração de Bill ao Lancenet)

“É um jogador interessante. Não podemos ainda dar muitos detalhes, mas o Bill está sendo analisado e esperamos evoluir com a negociação.” (André Silva, no Jornal dos Sports.com.br)

Foi anunciada a possível contratação de Bill, atacante e artilheiro do Bragantino. Não sei as condições físicas em que se encontra, mas as imagens que consegui no Youtube me deram a impressão de tratar-se de um goleador.

É certo que estes compactos são uma compilação dos “melhores momentos” e o bagaço há de ficar de fora. Tudo bem que todos os chutes levam endereço e as bolas isoladas vão para o lixo. E são muitos gols. Mesmo assim as imagens revelam um indício de que Bill é bem melhor tecnicamente que todos os atacantes do elenco alvinegro. Além de parecer melhor, inclusive, que o mediano Otacílio Neto, a quem visa a diretoria.

Acho que a torcida não se decepcionará como ocorreu com Reinaldo, não se iludirá – falo por mim - como aconteceu com Victor Simões e não será enganada pela diretoria, como foi nos episódios das contratações de Jean Coral e Tony.

Se não for mais um que já chega “bichado” e/ou fora de forma, parece ser um bom reforço - está em atividade e é vice-artilheiro da Série B.

Seria bom que André Silva se apressasse em negociar com Bill, porque o Santos também está no páreo, de olho no jogador. Ao invés de perder tempo valioso com Otacílio Neto - viajou ontem à São Paulo negociar com o jogador -, poderia ter feito antes uma baldeação em Bragança Paulista, antecipando-se aos santistas. Mas como nada de bom pode-se esperar do dirigente, Silva deixou para tratar com Bill em vagos “próximos dias”.

Além de ser melhor jogador, Bill pode estrear imediatamente. O que não é o caso de Otacílio Neto, que tem que esperar o encerramento da Copa do Brasil.
_______

“Ele não vai para o Botafogo. Já tenho coisas melhores para ele, uma do Brasil e outra do exterior.” (Comentário de Fernando Garcia, empresário de Otacílio Neto, ao Lancenet)

Torço para que a vontade do empresário de Otacílio Neto prevaleça e o Botafogo não tenha que dar casa a mais um refugo futebolístico.

Saudações alvinegras!

PS: Estamos cansados de falastrões. Mas a fala do Bill me empolgou mais do que os gols que vi. E já posa para foto com as cores certas!

Não será por falta de aviso


O special team player do Botafogo estará de volta contra o Vitória. Chama-se Juninho, nosso grande especialista em cobrança de faltas, porém péssimo zagueiro.

Será um duelo de um jogador extremamente lento contra um time extremamente rápido.

Sabendo-se que Leandro Guerreiro não tem explosão nem velocidade, que Fahel é "café com leite" e que Leo Silva adora fazer faltas na entrada da área, podemos ter certeza que, neste sábado, emoções fortes estão garantidas.

Se tivéssemos um bom treinador poderíamos esperar que mexesse no time em função do adversário, colocando Alex ao lado de Eduardo (2 zagueiros velozes) na zaga, Thiaguinho (jogador veloz) para jogar como volante ao lado de Batista e Leandro Guerreiro e escalando Alessandro e Gabriel - 2 laterais para jogar nas laterais. (Falar o óbvio dá nisso). Mas não temos.

Temos, sim, é que reforçar o estoque de Angipress e apertar o cinto.

Ney Franco, não diga que não avisei.

Saudações alvinegras!

PS: Que eu erre novamente.

domingo, 14 de junho de 2009

A primeira ninguém esquece

(Imagem: Botafogo Multimídia)

Desculpem a escassez de postagens, mas a carga de trabalho aumentou muito. Não consegui prestar muita atenção ao jogo e penei um pouco para encontrar um clipping com os melhores lances.
_______

Não foram muito bons os melhores lances, mas pelas imagens parece que o Santos não compareceu ao Engenhão.

De qualquer forma, confio no Rui Moura e no Fogo Eterno, onde pude ler ótimas análises do que aconteceu no jogo de sábado.
_______

Na última postagem perguntei se com a escalação anunciada “poderia dar certo”. Parece que sim.

E quem eu pensava ser um desmiolado acabou me deixando com a língua chamuscada.

Melhor assim. Nada mais justo do que um pequeno sacrifício pelo Botafogo. Obrigado, Batista. Sua garra foi premiada. Bela lição.

E o Laio, com o gol que fez, me convenceu de ser um jogador de futebol profissional, diferente de Tony, que definitivamente é peladeiro.

Saudações alvinegras!

sábado, 13 de junho de 2009

Sábado também é dia de futebol


Luiz Fernando Medeiros, charlatão integrante do péssimo departamento médico do Botafogo, declara ao Lancenet: “Quando se está resfriado, ninguém manda o paciente fazer exame de sangue por exemplo. Somente se os sintomas não regredirem é que se parte para uma investigação mais aprofundada. Foi exatamente isso o que aconteceu com o Reinaldo. Poderíamos ter feito uma ressonância? Poderíamos. Mas não é isso que determina o protocolo médico."

Balela. O protocolo médico determina que uma ressonância magnética seja feita em qualquer jogador que sofra uma grave contusão. O problema é que no Botafogo não existe protocolo. O departamento médico é gerido por senhores que têm cérebros do tamanho de uma bactéria.

Ao tratar erroneamente o jogador, agravaram sua patologia. O agravamento da lesão foi o resultado do tratamento ministrado por um bando de incompetentes.

O jogador está há exatos 41 dias na enfermaria.


E o pior é perceber que o método retórico para embromar trouxas, criado por Ney Franco, se alastrou e agora contamina todas as instâncias de comando do clube mais desgovernado do Brasil.

Nota: O Dr. Kevorkian é mais objetivo. Aplica injeções letais para evitar o sofrimento de pacientes em estado terminal.

Perna-de-pau

(Foto: Cleber Mendes)

Alessandro, pastiche de jogador de futebol, diz: “É uma decisão, já que Brasileiro é um campeonato difícil. Para ficarmos em uma posição melhor, é preciso se dedicar, porque a competição é muito complicada.” (Lancenet)

Complicado é Cálculo II, São Tomaz de Aquino e Lacan. Futebol é simples: joga quem sabe e fala muito quem joga pouco.

Craque de araque

Através do GloboEsporte.com a torcida alvinegra toma conhecimento de que Otacílio Neto (não é o ótimo Ota dos quadrinhos) está para acertar sua contratação com o Botafogo.


“Oh! Que maravilha! Agora, sim!”, diria o poodle que me atormenta, latindo o dia inteiro, solitário e preso no apartamento de um vizinho desalmado.

É mais um jogador mediano - que esquenta o banco do Corínthia - a juntar-se a Diego, Tony, Jean Coral, Jean Carioca, Victor Simões e Retirodosartistaldo (Vão ser 7 atacantes?).

Mas, quer saber? Ele é melhor do que essa galera toda.

Aposentados do Brasil


O jogador de futebol e pensionista do INSS, Reinaldo, que passa sua aposentadoria na filial do Retiro dos Artistas localizada em General Severiano, desabafa ao Lancenet: “É o pior momento da minha carreira. Tenho 30 anos e nunca tinha sofrido uma lesão tão séria.”

Pior para o Botafogo, que paga o salário de um jogador em evidente fim de carreira e ainda tem que ouvir isso.

Mas, justiça seja feita, o departamento médico do Botafogo – especializado em Medicina Legal - "ferrou" com o cara mais ainda.

Desculpe, Reinaldo. Você merecia tratamento melhor.

(Ele sabe que foi prejudicado pelos médicos do Botafogo. Não fala isso publicamente para não complicar ainda mais a situação).

O porta-voz


O simulacro mal ajambrado de jogador de futebol, Fahel, afirma: “Precisaremos de mais atenção, pois sabemos da qualidade do ataque do Santos. O Botafogo estará atento e buscará fazer seu jogo.” (Jornal dos Sports online)

Ah, agora entendi. Faltou atenção nos outros jogos. Agora que este embusteiro chegou a tal conclusão, podemos ficar tranquilos, porque o “Botafogo vai fazer seu jogo”.

E a matéria ainda chama essa alimária de “cão de guarda”.

- Aí, Biriba. Chamou de cão de guarda.
- Um jumento.
- O Fahel ou o repórter?
- Os dois.

Imprensa marrom


Manchete do GloboEsporte.com: Após defender seleção, Castillo retorna usando camisa 'uruguaia'

E segue: “No retorno aos treinamentos do Botafogo, goleiro veste cor parecida com a do uniforme de seu país.”

Ora, a cor não é semelhante, é a mesma: azul. Só que a camisa da seleção uruguaia é conhecidamente a “Celeste” – referente a “azul celeste”. A do uniforme de treino é de um outro tom de azul, que minha ignorância não me permite definir.

Melhor a ignorância, que tem jeito, do que a idiotice, que é incurável.

Os incompetentes

Michael não jogará hoje tão somente porque sentiu dores na panturrilha. Mesmo que estivesse apto fisicamente, não poderia atuar pelo Glorioso, porque os dirigentes aparentemente "se esqueceram" de solicitar à Confederação Ucraniana a documentação necessária para a liberação do jogador. Uns pulhas!


O Sorridente


O presidente-rei do Botafogo, Maurício Assumpção, O Sorridente, pede paciência à torcida.

E a torcida pede ao presidente que perca a paciência e demita a multidão de incompetentes que trabalham para ele.

Papo furado


“A única coisa que quero de diferente é o resultado. Tivemos a mesma cobrança interna e os mesmos treinamentos. Enquanto a vitória não acontecer, haverá especulação. Vejo com naturalidade esta semana de questionamentos à comissão técnica, mas desenvolvemos nosso trabalho com naturalidade e qualidade. Esperamos levar tudo isso para dentro de campo neste sábado.”

Foi isso que tive o desprazer de ler hoje no GloboEsporte.com.
_______

Análise do que o torcedor alvinegro pode esperar para a partida de hoje, a partir do palavrório de Ney Franco:

1) “Resultado diferente.”

Significa perder por W.O.? Essa é indecifrável. Desculpem-me.

2) “Mesmos treinamentos.”

O gogó de ouro nos avisa que veremos uma equipe sem padrão de jogo definido, sem jogadas de ataque, sem articulações no meio-de-campo e sem esquema defensivo. Ou seja, tudo o que o Botafogo tem apresentado à sua torcida e ao mundo nos últimos meses.

3) “Desenvolvemos nosso trabalho com naturalidade e qualidade.”

Qualidade é mentira pura e simples. Mas essa de “naturalidade”, juro que não entendi. O que seria trabalhar fora da naturalidade?

Espero que Ney Franco não submeta nenhuma equipe que “treine” a situações que fujam da naturalidade, como trabalhar pelado, nadar em caixa de areia e andar sobre a água.

4) “Levar tudo isso para dentro de campo.”

Tudo isso o quê, cara pálida? O sujeito não disse absolutamente pôrra nenhuma e fala em “tudo isso”!

Um merda!

Escalando o Himalaia


Perfeitamente entendido? Não. Não entendi absolutamente nada.

Eu ia escrever que o gogó de ouro - que ocupa o cargo de técnico de futebol do Botafogo -, surpreendeu mais uma vez com a escalação que fez para o jogo de hoje. Mas já se sabe que o exímio estrategista musical, Ney Franco, não tem critério algum para escalar a equipe. Ou seja, quem acompanha o Botafogo sabe que tudo é possível, tratando-se da cabeça do Professor Aloprado. Ele já não causa surpresa.
_______

Um fichamento:

Alex, que jogou entre os titulares durante boa parte do treino, não joga. Wellington, que jogou algumas partidas e que foi bem em umas e mal em outras, não joga. Teco, que inexplicavelmente começou uma partida sem condições de jogo, não joga. Gabriel, o único lateral-esquerdo que temos, não joga. Thiaguinho, que é volante e jogava improvisado na esquerda, não joga. Túlio, que nos salvou do risco de não irmos às semifinais da Taça Rio, fez o gol de empate na final do campeonato e que é sem dúvida alguma tecnicamente superior a Fahel, Leo Silva e Batista, não joga. Rodrigo Dantas, que o gogó de ouro disse ter “descoberto” nas divisões de base, não joga. Laio, que o gênio do karaokê “revelou”, não joga. Júnior, que o tenor de Ipatinga “lançou” no último jogo, não joga.

Alessandro, que não joga absolutamente nada, joga. Leandro Guerreiro - nosso melhor volante - fará as vezes de zagueiro e irá arriscar-se a fazer pixotadas. Emerson, o Brutus de Ipatinga, uma piada ambulante, joga. Eduardo, nosso melhor zagueiro, vai para a lateral, onde jogará de má vontade, firulando, firulando e firulando até o fim. Fahel, um simulacro mal acabado de jogador de futebol, joga. Leo Silva, um perna-de-pau mascarado que erra tudo que tenta, joga. Batista, que nem no banco ficava e tem a cabeça oca, joga. Lúcio Flávio, o homem inflável, especialista em devoluções de bola aos goleiros adversários, joga. Tony, que transforma uma bola de futebol em peteca de badminton, joga. Victor Simões, nosso kitty cat míope, joga.

Pode dar certo?
_______

Nota: Juntei uma postagem de ontem à de hoje, para não deixar o Marinho Chagas em má compahia.

A volta dos 3 Patetas

(Publicado em 12/06/2009)

(clique na imagem para ampliá-la)

"- Este jogo será o divisor de águas para o clube no torneio. Mas, tenho certeza que desta rodada não irá passar. Vamos vencer a primeira no Brasileiro e jogando bem. Prometemos um resultado positivo ao longo da semana e chegou o momento de mostrar isto dentro de campo para o torcedor". (Palavras de Emerson, o Brutus de Ipatinga)

Se não bastasse a sofrível campanha em que o Botafogo navega de vento em popa em direção ao rebaixamento, amanhã a torcida verá a reunião do trio de barangas futebolísticas, síntese da mediocridade de Ney Franco, O Mentecapto.

Para deleite do adversário, Fahel estará novamente - e desta vez desde o primeiro minuto da partida - em companhia de seus patéticos companheiros ipatinguenses, manchando mais uma página da história do então glorioso Botafogo de Futebol e Regatas.

Vocês acham que eu e o Biriba vamos assistir a mais um episódio da comédia pastelão mais triste e modorrenta do mundo - que é o que se tornaram os jogos do Botafogo?

Quem disse "não" mande um e-mail, porque acabou de ganhar um casadinho de queijo do Biriba.

Amanhã vamos ao circo, que é o lugar certo para a apreciação de palhaçadas.

Saudações alvinegras!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Marinho Chagas


Desde o domingo passado estou com vontade de escrever alguma coisa sobre o Marinho Chagas. Isso porque assisti a uma matéria sobre a atual condição de saúde do Marinho, no Globo Esporte, reportagem essa que, apesar de deplorável, me trouxe a lembrança de um grande jogador.

(Meu comentário sobre a matéria está lá, na postagem de domingo).

Bem, o Marinho Chagas foi um destruidor de defesas. Não dependia de ninguém. Invadia a área com jogadas individuais, chutava de todas as distâncias com força e precisão, e batia faltas muito, mas muito bem mesmo. Um jogador completo.

Marco Antonio era habilidoso, jogava muito; Junior era técnico e inteligente; Branco chutava muito bem, tinha raça e, principalmente, estrela. Excelentes jogadores. Cito esses três, porque foram realmente bons jogadores.

Mas posso garantir que Marinho foi superior a eles. O resto é o resto.

Dentre os laterais-esquerdos que já vi jogar, nenhum chegou perto de ser o que foi o Sr. Francisco das Chagas Marinho, o Marinho Chagas.
_______

Nota: Está em andamento uma campanha - capitaneada pela ERK, fornecedora de material esportivo do ABC de Natal - para ajudar Marinho Chagas, que luta contra o alcoolismo. Para informações: eurekanatal@yahoo.com.br.

Nota 10: Homenagem de Rui Moura ao Botafogo, pelo Dia dos Namorados. Clique aqui e veja a bela postagem.

Saudações alvinegras!

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Maurício, o Sorridente

A direção do Botafogo funciona com se fosse uma corte. O presidente, assim como um rei, deixa a administração de seu reinado nas mãos de sábios conselheiros.

Porém, os conselheiros botafoguenses estão longe de serem sábios. Suas decisões prejudicam o reino. Apesar disso, no estranho reino de General Severiano, o rei não os coloca para fora dos muros do castelo. Pelo contrário: ele aprova a administração de seu malversador Conselho.

Os conselheiros - como em todas as cortes que a Humanidade tristemente conheceu -, beneficiam amigos íntimos com bons cargos. E mesmo que não apresentem mérito algum para desempenhar suas funções, não precisam preocupar-se com isso, porque sua proteção vem do próprio trono.

Porque a corte botafoguense é ímpar. Se o sapateiro faz calçados que apertam os pés da realeza, não é substituído por um melhor artesão. Se o cozinheiro prepara pratos desagradáveis, não perde seu posto para um bom quituteiro. Se a cavalaria reclama das más condições das ferraduras, o ferreiro não é incomodado. E mais, além de ferreiro, passa a acumular cargos e torna-se porta-voz do reino!

Mas o mais curioso no reinado de General Severiano é a relação entre a Coroa e o seu General. Quando não vence as batalhas, o comandante coloca a culpa no sapateiro, no cozinheiro, nos ventos frios do inverno, na má fase da lua, na enxaqueca da esposa, na aparição de um gato preto na estrada, no rompimento da corda do violino do spalla, no soluço do corneteiro... E no lugar de uma reação enérgica por parte de seus superiores - o que seria de se esperar -, observa-se o apoio do Conselho e o elogio do rei.

E segue em frente inabalável, El Capitán, até finalmente cumprir sua missão, que é a extinção do próprio reino.

O rei, que os súditos esperavam ser o personagem mais notável do reinado, nada mais é que uma sorridente figura, que rouba o papel e o emprego do palhaço da corte.

Pobre bobo da corte. Quem diria. Sobrou pra você.

Saudações alvinegras!

terça-feira, 9 de junho de 2009

Título inédito

(clique na imagem para ampliá-la)

Finalmente entendi o projeto da diretoria do Botafogo.

Demorou para cair a ficha. “Como pude ser tão ingênuo”, pensei. Mas pudera, não sou um visionário, um sujeito com uma ideia genial guardada numa cartola, pronto para surpreender a todos na hora H. Como adivinhar o que o brilho das mentes que cuidam do bem do Botafogo nos reserva?

Fiquei por algum tempo pensando no que disse o presidente-rei Maurício Assumpção: “Meu sonho é ser campeão brasileiro”.

Depois de 5 rodadas e 3 pontos computados, tentava decifrar o enigma que se escondia em sua fala e... “Eureca!”

É simples. Eles querem um título inédito: O título de campeão brasileiro da Série B.

Michaelsuel?

Será que o Michael conseguirá se encaixar numa equipe montada para que o potencial do Fahel atinja o ponto máximo?

Como bem colocou o Rodrigo (Cantinho Botafoguense – não encontrei o post), dá pra entender um time montado em torno de um Romário, um Kaká, um Ronaldinho Gaúcho, um Túlio Maravilha. Mas montar um time que gravita ao redor de um simulacro mal acabado de jogador de futebol como o Fahel, é um disparate!

E vamos combinar que o Michael não é o Maicosuel com letras trocadas.
_______

Nota especial: Sugiro a todos que não percam o furo jornalístico conseguido por Rui Moura, do Mundo Botafogo/Estrela Solitária. Rui nos oferece estrevista bombástica com Ney Franco, revelando os bastidores da mente do treinador alvinegro. Cliquem no link para ler a matéria que abalou o mundo do futebol.

Saudações alvinegras!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Malvada Matemática


A pontuação do Botafogo à quinta rodada do campeonato resume-se ao que todos sabem: 3 pontos. Isso representa um aproveitamento de 20 %.

Mantendo esta média chegaríamos ao final do campeonato com aproximadamente 23 pontos - metade do que calculam por aí, para que um time escape da segundona.

Como Ney Franco sempre culpa um "outro" ou alguma circunstância fora de seus inquestionáveis controle e capacidade - eximindo-se de responsabilidade pelo péssimo rendimento da equipe -, é bem provável que se volte contra a natureza das coisas e conteste o universo dos números. Vai tentar bolar um discurso que ponha em cheque a capacidade de abstração dos gregos, para culpar a própria Matemática.

Fico imaginando o contorcionismo retórico e o desespero do gênio da música frente a um domínio que não é o seu, um ambiente em que a eloquência não é capaz de distorcer a realidade.

Um deleite é imaginar as noites de insônia e revolta do gogó de ouro pensando: "Malditos números, malditos números!...

Sul-Americana

Por sugestão do meu amigo botafoguense, Alberto, peço à direção desgovernada do Botafogo, que faça um bem ao clube que “gere” e desista de disputar a Copa Sul-americana.

O motivo é o fato de que a equipe se veria obrigada a dividir seus esforços entre duas competições.

Se já estamos nos rastejando pelo Campeonato Brasileiro - deixando um rastro de lixo futebolístico a ser esquecido para sempre -, não é de se esperar que as coisas melhorem com o acréscimo de mais uma empreitada.

Uma solução, para evitar a desistência, seria escalar uma equipe composta exclusivamente de jogadores da base.

Mas isso seria uma opção impensável para uma diretoria que “blinda” um péssimo treinador e aceita o acinte que é a escalação de uma corja de apadrinhados e o infindável lenga-lenga do treinador de araque. São diretores que acham de grande valor um time que parece um bando de formigas fugindo do fogo.

Como sustentar um discurso que defende a tese de uma “boa temporada”, um “bom trabalho”, uma “boa preparação técnica” do time do Botafogo, se um termo de comparação, de dentro do prórpio clube, for adicionado ao debate? Ou melhor, como justificar a permanência do “projeto” de Ney Franco, se o time de Luizinho Rangel apresentar bom nível técnico, um padrão de jogo definido, um critério de escalação coerente, um sistema defensivo inteligente e coordenado, um meio-de-campo criativo e jogadas de ataque bem articuladas?

Eles não iriam se arriscar a enfrentar um desafio concreto contrapondo-se à retórica inconsistente que utilizam.

Saudações alvinegras!

domingo, 7 de junho de 2009

Domingo é dia


Como meus oito leitores bem sabem, eu e o Biriba não aguentamos mais ver o Fahel vestindo a linda camisa alvinegra - e com o agravante de ser a de número oito.

Na semana passada tivemos uma experiência inédita: não assistir a nosso clube de coração jogar e ficar aliviados com isso. Quem diria.

Mas como Ney Franco prepara o time para "acordar" no segundo tempo, assitiremos aos 45 minutos finais.


Mas hoje será pior ainda: esse Fahel vai pisar na grama do maior estádio de futebol do mundo, vestindo a camisa que já cobriu Didi e Gérson. E, não bastasse isso, ainda terá o privilégio de assistir à partida em pleno campo. Um disparate!

Alguém discordaria se eu dissesse que o Fahel é uma desgraça que macula a boa criação do universo?

Sobrinhos do Capitão

(Perdoem-me, adoráveis traquinas. É uma travessura do Biriba)

E agora, com a volta de Emerson, o Brutus de Ipatinga, estamos definitivamente a caminho do caos, que no momento atende por "segundona".

É fácil adivinhar


A tática do Botafogo será a cobrança de tiros de meta com a bola em jogo.

No segundo tempo, se o jogo estiver empatado, o gênio da música e homem de estreiteza intelectual, Ney Franco, substituirá Alessandro por Tulio, colocará Eduardo na lateral-esquerda e Thiaguinho na direita. Se estiver perdendo, fará o mesmo, sendo que ao invés de Túlio, colocará algum garoto, para atirar ao fogo, provavelmente o Laio. Se estiver ganhando, sai Tony e entra Wellington ou Túlio.

Simples, né?

É uma merda, mesmo

Foi notícia do Globo Esporte de hoje o alcoolismo que provocou a internação de Marinho Chagas, ídolo alvinegro e craque da seleção brasileira.

É deprimente ver qualquer ser humano passando por problemas de dependência alcoólica, mas no meu caso foi especialmente comovente, porque o Marinho foi um sujeito que jogou um bolão no Botafogo - e na seleção brasileira. Eu era fã do cara.

Não vou entrar em detalhes sobre o conteúdo da matéria.

O que me causou surpresa foi o fato de que não transmitiram sequer UMA imagem de Marinho vestindo a gloriosa alvinegra. Vi imagens suas com um uniforme branco, que não sei se era do Fluminense ou do Cosmos. (Se houve alguma menção à camisa mais bonita do mundo nos primeiros 15 segundos da transmissão, perdoem-me. O que segue continua valendo).

De seu futebol, ficaram repetindo um lance inexpressivo contra a Holanda – se não me engano -, uns dois gols de falta, umas embaixadinhas nas ruas de Nova York. E só.

Em suma, para quem assistiu à matéria e não sabe quem foi Marinho Chagas, ficou a impressão de que foi um bom lateral-esquerdo, que defendeu vários clubes e a seleção brasileira. E isso não é uma mentira. No entanto, Marinho Chagas foi o melhor lateral-esquerdo que vi jogar e um jogador cuja lembrança jamais seria dissociada do Botafogo de Futebol e Regatas, a não ser pelas mãos sujas da imprensa marrom, com “m” minúsculo.

(acrescentado em 8/6/2009)

Desejo ao Marinho sua recuperação, para seu próprio bem, para aliviar a dor de todos que o amam e para alegria da torcida do Botafogo, a qual deu muitas e muitas alegrias dentro de campo.

Salve, salve, Marinho!

Saudações alvinegras!

sábado, 6 de junho de 2009

Marasmo e sonolência

Estou cansado. Saí muito cedo pra trabalhar e agora bateu um sono de dar dó. Como sobrou uma carguinha extra, tive vontade de escrever sobre o Botafogo.

Li nos blogs afins os comentários sobre as últimas notícias. Constatei que os acontecimentos andam lamentáveis como de costume. (Visite o Cantinho Botafoguense pra ter uma ideia do que digo).

Um sentimento que rondava o Snoopy e o Fogo Eterno, também se abateu sobre mim: um tremendo desânimo.
_______

Fui dar uma olhadinha pra ver se o Castillo jogaria na seleção do Uruguai. Em 3 minutos vi o time do Brasil dar 2 chutões pra frente - simulando lançamentos - e o titular, Vieira, tomar um frango do tamanho de um chester. (Depois dessa, bem que o Castillo poderia ganhar a vaga).

Mas não vou dar chance ao azar. Vai que o Fahel aparece no intervalo dando uma declaração à imprensa e lá foi-se um sábado pro ralo.

É melhor tirar uma soneca.

- Eu faço isso o dia inteiro, Luís.
- Não enche o saco, Biriba.
- rrrrrrr...

Saudações alvinegras!

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Cobrar de quem não tem

Foto: Julio César Guimarães, para o Lancenet

Não adianta cobrar.

Eles são incompetentes ou mal assessorados? Desconhecem o ramo ou são mal intencionados? São provincianos ou patrimonialistas? Acho que tudo isso junto e um pouco mais.

Posso estar errado, mas seja como for, cobrar qualquer coisa dessa diretoria é enforço em vão.

Dr. Morte


Reinaldo veio porque estava bichado ou está bichado porque veio?

O departamento médico do Botafogo está a cargo do Dr. Kevorkian.

Thiaguinho machucado

Com o possível “desfalque” de Thiaguinho na lateral esquerda, o gênio musical Ney Franco vai escalar um lateral-esquerdo ou mais uma vez sacrificará Eduardo e a torcida alvinegra?

Victor Simões é ponta?

Na versão online do Jornal dos Sports aprende-se que Victor Simões é ponta: "Na ponta eu recebo mais a bola do que jogando como pivô, onde sempre há dois na marcação. E também venho de frente para o jogo".

Ele falou em ponta, não falou em pontaria. Porque as finalizações de Victor Simões ultimamente têm demonstrado que o atacante possui a visão semelhante a de uma toupeira, um animal praticamente cego (Biriba Wiki).

A torcida bem que poderia fazer uma vaquinha pra comprar um par de olhos novos para o nosso kitty cat.


O mundo dos palermas


A desgovernada diretoria do Botafogo afirma que o atacante argentino Palermo tem um nível salarial muito alto. Quanto seria isso?

Será que a soma dos salários dos fraquíssimos Jean Coral, Tony, Jean Carioca e Diego não cobriria o salário do bom jogador argentino? O maestro da orquestra de surdos ganha 100 mil e o eternamente morto, Reinaldo, 90.

Botinada verbal


No Jornal dos Sports.com de ontem, o ótimo batedor de faltas e zagueiro freio de mão puxado, Juninho, se expressa: “O Botafogo tem como característica manter o mesmo técnico por muito tempo. E o Ney faz um trabalho ótimo com a gente. Nós estamos juntos com ele. Ele é um grande treinador tenho certeza que nós juntos vamos sair dessa”.

Agora temos uma horda de corporativistas verborrágicos, travestidos em jogadores de futebol. Assemelham-se à amálgama de dejetos que frequenta o Congresso Nacional.

Esses caras estão se lixando para o que acontece ao Botafogo.

E eu me lixando pro que aconteça ao ligamento cruzado desses pulhas.

- Olha que Deus castiga!
- Não é praga, não, Biriba. É modo de dizer.
- Sei...

Saudações alvinegras!

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Dia de folga


Biriba me deu um dia de folga. Fico por aqui "na aba" de blogueiros na mesma sintonia, que querem nosso Botafogo de volta.

Excelentes textos podem ser encontrados nos seguites links:

A torcida não vai, o Engenhão é inviável... Porque será?
(por Fernado Lôpo, no Mundo Botafogo/Estrela Solitária)

ei, ney franco, vai tomar cajú!!!
(snoopy em preto e branco)

E tem as 3 postagens de hoje - até o momento, porque fôlego é o que não falta ao Rodrigo - no Cantinho Botafoguense.

Saudações alvinegras!

terça-feira, 2 de junho de 2009

Que fazes tu, André?


O presidente do Botafogo é dentista. Ganha a vida cuidando do bem estar bucal de seus clientes.


Já o vice-presidente, que declarou não ganhar um tostão para cuidar dos interesses do Botafogo, não tem uma ocupação empregatícia publicamente declarada.

Fica uma pergunta no ar: Qual é a atividade profissional de André Silva?


Para o bem da saúde pública, torço para que não seja médico.
_______

Nota: No post Sábado no Parque, esqueci de escrever a moral da estória. É a que segue:

“Até no zoológico Fahel afasta a alegria do mundo.” (Nhei Frun Ku)
_______

AVISO IMPORTANTÍSSIMO A TODOS OS BOTAFOGUENSES:

Campanha: Fora, Ney Fra(n)co!!!
(Para melhores informações clique no link acima)

Saudações alvinegras!